Projeto Escrevivendo

Por Alessandro Atanes

A biblioteca da Humanitária

Por volta de 1867 o capitão Burton exerceu no Brasil o cargo de cônsul britânico; em julho de 1942, Pedro Henríquez Ureña descobriu em uma biblioteca de Santos um manuscrito de Burton que versava sobre o espelho que o oriente atribui a Iskandar Zu al-Karnayn, ou Alexandre Bicorne de Macedônia. Em sua superfície se refletia todo o universo.

Jorge Luis Borges, O Aleph

 

Em seu famoso, o próprio Borges transformado em personagem encontra no sótão da casa de um colega de infortúnio um Aleph, objeto mágico da cultura judaica, um ponto por meio do qual pode-se ver todos os demais pontos do universo. No manuscrito (teria existido ou será mais um sonho de Borges), o cônsul britânico teria ainda listado uma série de outros objetos que com as mesmas propriedades.

Mas a qual biblioteca de Santos refere-se o conto? Com suas estantes antigas de madeira escura e coleções do século XIX, a biblioteca da Sociedade Humanitária dos Empregados no Comércio, localizada em um dos edifícios mais significativos da cidade, é o primeiro lugar que pensamos.

Burton foi realmente cônsul em Santos e Pedro Henríquez Ureña, intelectual da América Central que viveu na Argentina, provavelmente deve ter passado por aqui em uma de suas viagens. E a biblioteca, por qual razão ela não tem nome? Penso em apenas uma: para Borges, as bibliotecas são como um Aleph. Em cada biblioteca, o mundo todo.

 

 

 Leitura complementar: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/maaravi/article/view...;

 

Exibições: 34

Tags: SESC, Santos, caminhos, escrevivendo, escrita, leitura, oficina

Comentar

Você precisa ser um membro de Projeto Escrevivendo para adicionar comentários!

Entrar em Projeto Escrevivendo

© 2018   Criado por Karen Kipnis.   Ativado por

Relatar um incidente  |  Termos de serviço