Projeto Escrevivendo

 

 (...e sonhos)

 

Por ...

 

-”Manheee, não estou com sono...”

 

-”Vamos Clarinha, já e tarde e amanhã é dia de escola, esqueceu?”

 

-”Mas não estou com sono!”

 

-”Olhe seu irmão: Tonico já dormiu num segundo, debaixo do cobertor, quentinho. Está escutando? Até ronca!...”

 

-”Então conta carneirinhos comigo”

 

-”Um carneirinho, dois carneirinhos, três carneirinhos...”

 

A mãe contando e olhando o relógio: louça para lavar,  uniformes para passar,  lancheiras para organizar. E a mesa para o café da manhã... quinze, dezesseis, dezessete carneirinhos... e lá vai a Clarinha, pestanas se encontrando, lábios se afastando, finalmente dormindo num respiro tranquilo.

 

Lá está ela. Correndo no sitio do vovô, campo verde,  gramado cheio de margaridinhas; a cerca pintada de branco serve de obstáculo para os carneirinhos pular, um atrás do outro: branquinhos, orelhinhas rosadas, ovelha-mãe, gorda e pesada tentando alcançá-los. Mas olha aí  um pretinho, o menor, o mais lerdo, pernas ainda trêmulas, como se tivesse acabado de nascer. Clarinha corre,  pega-o com os dois braços e aperta o bichinho ao peito tentando carrega-lo. Mas lá vem Tonico correndo:  -“Deixa Clarinha, ele é muito pesado para você, deixa que eu levo.”   Levam-no até a cozinha, dão leite, tentam lavá-lo com um pano úmido, e o bicho miando que nem gatinho.

-“Será que mamãe vai me deixar levá-lo para casa?”

-“Vamos perguntar para ela, Clarinha. Não vai dar trabalho, nós mesmos podemos cuidar dele...”

-“Eu. Eu quero cuidar dele, o carneirinho é meu, eu achei!”

 

Barulho de chinelos, beijo carinhoso de mãe na testa de cada um.

 

-“Vamos crianças. Já está na hora. Banho rápido, aí estão os uniformes  e podem descer que o café da manhã está na mesa”.

 

-“Mas manheee,  eu ainda tenho sono....”

 

-“Pois é, mas a escola não espera... Vamos, rápido os dois!”

 

Em pouco menos de quinze minutos estão os dois sentados e famintos. Pão com manteiga, polenguinho, mamão e suco de laranja enquanto esperam o leite. Lá vêm as jarras da mamãe: chocolate quente numa, leite na outra.   Ao ver a segunda jarra, Tonico se espanta: “mãe, pensei que nos tivéssemos acabado com a leite da casa quando demos tudo o que tinha na geladeira para o carneirinho preto que Clarinha achou no pasto...”

 

Pão preso na mordida dos dentes, Clarinha arregala os olhos.    

 

 

 

 

 

Exibições: 25

Tags: conto, escrevivendo, escrita, fantástico, leitura, oficina

Comentar

Você precisa ser um membro de Projeto Escrevivendo para adicionar comentários!

Entrar em Projeto Escrevivendo

© 2021   Criado por Karen Kipnis.   Ativado por

Relatar um incidente  |  Termos de serviço