Projeto Escrevivendo

HOMENAGEM A GUITA E JOSÉ MINDLIN (Z'L)

A palavra viva


Por Frederico Barbosa

Para Guita e José Mindlin


“O tempo venceu a censura”, diz José Mindlin ao mostrar aos visitantes um dos tesouros da biblioteca que ele e a saudosa Guita construíram durante décadas. A edição de 1533 do livro Rimas, de Francesco Petrarca, traz alguns poemas cobertos por uma tinta já desbotada. O livro foi censurado pela igreja da época, que cobriu os versos considerados antipapistas com nanquim. Hoje, quase quinhentos anos depois, o grande bibliófilo comenta que “é perfeitamente possível ler os versos através da tinta”...




sob o nanquim da incompreensão

ressurgem as palavras

letra por letra,

verso a verso,

varam o escuro e

rebrilham à luz de outro tempo

de nada adiantou tapar palavras

nunca adiantou perseguir idéias

jamais adiantará calar versos

se idéias palavras

seguem tramando

interditas

na trama dos versos

subterrâneas

subversivas

vivas

seguem buscando

como dizer e dizem:

apesar da violência

a despeito das tormentas

dizem

da força

do que as escreveu

dizem

da persistência

da poesia

dizem

do carinho dos que

as preservaram

cada letra palavra

a romper o escuro silêncio

é testemunho

do mundo livro

é lembrança

do poder do vivo

livro

os que em vão pintaram

os versos de petrarca

não contavam

com o poder do tempo

não contavam

com a força do verso

não contavam com

petrarca josé e guita

para fazer do livro

completo organismo

para fazer

da palavra vida!

Exibições: 8

Tags: homenagem, mindlin, poema

Comentar

Você precisa ser um membro de Projeto Escrevivendo para adicionar comentários!

Entrar em Projeto Escrevivendo

© 2021   Criado por Karen Kipnis.   Ativado por

Relatar um incidente  |  Termos de serviço