Projeto Escrevivendo

 

 

Veja que coisa mais linda mais cheia de graça, é ela menina que vem e que passa num doce balanço caminho do mar. Sim, como ela era linda e desejável. Jovem. Na verdade, não era mais menina, mas uma mulher, embora tivesse um jeito de menina, às vezes. Era inteligente, divertida e sexy. Os homens, jovens ou mais velhos, não podiam lhe resistir aos encantos. As mulheres a invejavam. Ela brilhava. Era puro balanço, luz e energia. Sua pele morena clara era sedosa, aveludada. Seu corpo exalava um perfume, atraia o olhar, despertava  um desejo de tocá-lo, de fazer um carinho, de amá-lo, adorá-lo. Seu andar, o balanço de seus quadris, passando na praia, ao por do sol, no ritmo do mar, era mais que poesia, era como estar conversando com Deus. Ela fazia todos felizes, só ao vê-la passar.                                                                                                                             

Mas os anos passaram também.                                                                                                          

Ela não percebeu.                                                                                                                        

Sentia-se jovem e bela.                                                                                                                          

Mas percebeu algo.                                                                                                                                

As pessoas, os homens não a olhavam mais quando passava. Sentia sua pele meio seca, sem brilho. Seus movimentos não eram tão fluentes por mais que continuasse exercitando-os. Um dia para certificar-se das mudanças ocorridas, decidiu sair quase nua. Só com um pano transparente cobrindo-lhe o corpo. Inútil. Ninguém olhou para ela. Era como se tivesse se tornado invisível. Gritava, dançava como louca e nada. Aí então, ela viu todos olhando para a mesma direção. Foi ver o que era. Pensou que havia acontecido um acidente, que alguém morria na praia, mas não.                                                     

Era outra menina-mulher que passava balançando a caminho do mar.                                         

Agora ela sabia: Seu tempo de validade tinha acabado.                                                          

Pensou vingativa: “ O tempo vai passar para você também, coisa mais linda. Ele passa para todos.”                                                                                                                                          

O amor da juventude também tem prazo de validade.                                                                            

Restava-lhe o amor incondicional de Deus.                                                                                   

Começou a conversar com Deus.                                                                                                  

Só Deus e ela.                                                                                                                                   

Ele a via e ela O via .                                                                                                                          

Agora ela sabia que era um fantasma para os homens.                                                                

Ainda bem que aproveitou ao máximo sua juventude.                                                                             

Amou e foi amada.                                                                                                                    

Eternos amores que se acabaram.                                                                                                 

Ainda bem que tinha Deus para lhe fazer companhia.                                                                    

Ainda bem que encontrou o verdadeiro amor dentro dela.                                                                           

Ainda bem que, com a velhice, veio a sabedoria.                                                                                    

Ela ficava na praia e olhava para as coisas mais lindas.                                                                 

Ela e os homens.

 

Exibições: 37

Tags: canções, escrevivendo, escrita, leitura, oficina

Comentar

Você precisa ser um membro de Projeto Escrevivendo para adicionar comentários!

Entrar em Projeto Escrevivendo

© 2021   Criado por Karen Kipnis.   Ativado por

Relatar um incidente  |  Termos de serviço