Projeto Escrevivendo

NOSSAS LETRAS - III Encontro do módulo CARTAS

Resultado de imagem para carta imagem

Por Laion Castro



No último encontro, eu havia entregue, aos presentes, cópias de três crônicas de Otto Lara Resende que tratavam de aspectos importantes das cartas. Assim, comecei com a leitura desses três materiais. 

Primeiramente, lemos "Cartear é bem melhor", texto em que Otto fala sobre a presença e o cultivo da escrita e da troca de cartas em nosso país. Para ele, nossa pouca inclinação a escrever, apesar da nossa tagarelice, é um problema cultural que atravessa todas as classes e, de alguma forma, passa longe das inovações tecnológicas e da crescente eficiência do correio. Além disso, pontua a importância de nunca deixar uma carta sem resposta, nem mesmo aquela que o leitor escreve ao escritor -- esta, uma contribuição decisiva para transformar a leitura em diálogo que favorece a criação literária.
Depois, lemos e discutimos "Confidência e indiscrição", em que o cronista colocava em pauta uma questão ética que rendeu excelentes trocas em sala: a quem pertence uma carta? Pode-se ou não publicá-la? Além disso, partimos da citação de Otto de versos de Mário de Andrade ("Ao sol/ Carta é farol") para ler por inteiro o poema em que eles aparecem. A composição poética, parte de uma carta ao jornalista Guilherme Figueiredo, foi lida e analisada de modo a enriquecer o debate em torno da relação entre confidência e indiscrição, esfera pública e privada. Como sempre, até aqui, todos os pontos de vista procuravam ser estimulados a partir da situação contemporânea, que continua a viver, até mais intensamente, esse tipo de dilema.
Encerrando a leitura comentada das crônicas, conversamos, a partir de "Amigos escritos", sobre a possibilidade de manter uma amizade duradoura, marcada por grande intimidade e cumplicidade, por meio das cartas, ainda que os interlocutores sejam pessoas muito diferentes entre si e habitem mundos radicalmente contrastantes.

Voltamos do intervalo com a canção "Ben", do cantor e compositor Rubel. Ouvimos a canção e depois a reouvimos, com o acompanhamento da letra. Posteriormente, analisamos cada estrofe da música, traçando paralelos entre a forma da composição e alguns elementos estruturais típicos das cartas. Em seguida, tratamos dos diferentes tempos presentes no texto, além do tom conselheiro com que esse pai se dirige a seu filho. Com isso, inauguramos o tema da correspondência familiar. 

Então, fizemos a leitura -- acompanhada da narração de Eduardo Coutinho, presente em documentário de João Moreira Salles -- da carta que José Freire Silva registra, no livro-caixa de sua farmácia, a seu filhinho Nelson Freire, que se tornaria um grande pianista. Para completar, lemos também um bilhete que o menino Nelson, de apenas oito anos, redigiu, falando de sua vida e de sua paixão pela música. Apoiados no fac-símile do documento, discutimos novamente a importância da materialidade das correspondências, ressaltando ali não apenas a caligrafia, mas a configuração espacial do texto e também os desenhos da criança, que dedicou o registro ao pai.

Foi assim que se encerrou este emocionante terceiro encontro, cujo tema será retomado na próxima aula, com a leitura e análise de fragmentos da Carta ao pai, de Franz Kafka. A propósito deste iminente quarto encontro, após o trabalho inicial de leitura e debate realizaremos a troca em dupla de produções dos alunos e também nos concentraremos em questões específicas de escrita.
Referências

Exibições: 52

Tags: Castro, Karen, Kipnis, Laion, Letras, Nossas, SESC, belenzinho, cartas, escrita, Mais...leitura, oficina

Comentar

Você precisa ser um membro de Projeto Escrevivendo para adicionar comentários!

Entrar em Projeto Escrevivendo

© 2020   Criado por Karen Kipnis.   Ativado por

Relatar um incidente  |  Termos de serviço