Projeto Escrevivendo

Sou pontual. Essa qualidade me trouxe muitos problemas. O que posso fazer? Até sem querer, até quando não devo, até quando me programo para atrasar, eu chego no horário. Hoje, estou vivendo um bom exemplo do quanto a pontualidade pode atrapalhar uma mulher: estou aqui na porta da igreja, vestida de branco, com o buquê nas mãos, trinta minutos antes da hora marcada para o casamento.

O noivo, me contaram, está prontinho na sacristia. os convidados chegam apressados e, quando me veem, cumprimentam se justificando.

- Estou chegando em cima da hora porque...

- Tudo bem gente. Normal.

Uma pessoa do cerimonial ordena que eu me esconda atrás de um arbustinho. Eles precisam arrumar o cortejo do Pedro e todo mundo sabe o azar que o noivo ver a noiva antes do casamento.

Por isso, vou eu, a noiva, toda de branco, me encolher atrás de um arbusto florido com uma tocha no meio. Tentando não ser vista, vejo minha mãe e meu padrasto, minha sogra e meu sogro, os padrinhos e ele, o noivo. Lindo... lindo... e nervoso. Aposto que está preocupado comigo e que está inquieto com essa história de andar na igreja até o altar com todo mundo olhando. Corajoso, ele reúne toda a dignidade, arrumando a postura. As portas se abrem e começamos a ouvir 18 vozes cantando:

Eu sei e você sabe, que a vida quis assim

Que nada nesse mundo levará você de mim.

Eu sei e você sabe, que a distancia não existe...

As portas se fecham atrás do cortejo, mas ainda para ouvir:

Assim como viver

Sem ter amor não é viver

Não há você sem mim

E eu não existo sem você.

Naquela hora nada é mais verdadeiro. Estou tão envolvida de amor, tão apaixonada, tão ansiosa para entrar e dar um beijo nele, que começo a pular no lugar. A minha vontade era voar, mas isso não sei fazer, então, pulei no lugar.

Um amigo aparece e toca meu ombro.

- Oi, Samia, tudo bem?

Paro de pular para responder:

- Ô, Nemoto! atrasado, hein? Eu cheguei faz tempo. Entra logo que estou pronta para casar. Vou dar um tempinho para você sentar, tá?

Alguém arruma meu vestido. Seguro bem firme o buquê tremulo. As portas se abrem e a música começa:

Quando a luz dos olhos meus

E a luz dos olhos teus resolvem se encontrar

Ele está lá, sorrindo, e tudo mais some. Não vejo convidados, decoração, nem coisa nenhuma. percebo meu Pedro, que me olha, sorri e me espera. Bem ao longe, baixinho, escuto vozes cantando:

...Eu acho meu amor que se pode achar

Que a luz dos olhos meus precisa se casar...



samia.cris@yahoo.com.br www.cronicasdeumasombra.blogspot.com



Exibições: 57

Tags: canções, escrevivendo, escrita, leitura, oficina

Comentar

Você precisa ser um membro de Projeto Escrevivendo para adicionar comentários!

Entrar em Projeto Escrevivendo

Comentário de Samia Schiller em 3 abril 2012 às 17:04

Obrigada, karen.

Já repassei para os escreviventes.

© 2020   Criado por Karen Kipnis.   Ativado por

Relatar um incidente  |  Termos de serviço